Open top menu
São Paulo tem quarentena mais rígida a partir desta segunda

São Paulo tem quarentena mais rígida a partir desta segunda

São Paulo tem quarentena mais rígida a partir desta segunda

Em busca de 70% de isolamento social, estado pode endurecer as regras de quarentena para evitar sobrecarga no sistema de saúde

As estratégias de combate à covid-19 no estado de São Paulo podem ser endurecidas nesta segunda-feira, 13. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), prometeu na semana passada tomar medidas mais rigorosas caso a adesão popular ao isolamento não tenha aumentado espontaneamente durante o fim de semana.

Ao longo da semana passada, apenas cerca de 50% da população paulista estava reclusa. O mesmo percentual foi verificado, na média, no restante do país, segundo dados da startup de geolocalização In Loco. O governo estadual monitora de perto a situação de 49 cidades paulistas.

De acordo com o governo estadual de São Paulo, é preciso alcançar o índice de 70% de isolamento social para que o sistema de saúde dê conta de atender os pacientes que serão infectados pela covid-19. Doria cogita implementar a aplicação de multas e até a prisão de quem desrespeitar o distanciamento social.

“Espero que não tenhamos que chegar nesse patamar, mas se for necessário faremos em defesa da vida”, disse o governador de São Paulo na quinta-feira, 9. Caso a situação se confirme, as medidas mais rígidas serão tomadas também pela prefeitura da capital paulista.

As ameaças de Doria provocaram reação do governo federal. O advogado-geral da União, André Mendonça, divulgou uma nota na noite de sábado, 11, que diz aguardar informações do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária “para a propositura de medidas judiciais cabíveis com o objetivo de garantir a ordem democrática e a uniformidade das medidas de prevenção à covid-19.”

Com quarentena prolongada até 22 de abril, Doria tem sido alvo de protestos. Na tarde de sábado, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro saíram em carreata pela capital paulista para protestar contra as determinações do governador de São Paulo.

O estado é o que concentra o maior número de casos no país. Já foram registrados 8.755 casos e 588 mortes em São Paulo. No Brasil, o número total de contaminados chegou a 22.169 no domingo. As mortes somam 1.223.(Exame)

Foto: Eduardo Frazão/EXAME

<