Open top menu
Na avenida, contra Messias

Na avenida, contra Messias

Na avenida, contra Messias

Pelo menos oito das treze escolas de samba do Rio de Janeiro trarão um samba enredo crítico com alvo definido: o presidente Bolsonaro e o seu governo

Para quem acredita piamente que carnaval nada tem a ver com política, aqui vai o recado: tudo sempre se torna político quando se é brasileiro, e isso é sinal de que a festança de Momo vai bem, mal quem vai é a política mesmo — mais ainda quando se tem um presidente que atravessa sem cerimônia o ritmo da democracia e do Estado de Direito. É aí que o carnaval dá o troco. As escolas de samba e seus compositores seguem a marcha e farão dos desfiles do ano que vem uma passarela de críticas ao governo e ao bolsonarismo. Do jeito que a coisa anda, não há Pierrot, Arlequim ou Colombina que aguente e, então, não poderia ser diferente. Afinal, desde que o samba é samba, com a licença de Caetano Veloso, é assim. Falar mal de Bolsonaro, o que significa cantar a verdade, foi a narrativa escolhida por pelo menos oito das treze escolas de samba do Rio de Janeiro.

“Índio pede paz mas é de guerra. Nossa aldeia é sem partido
ou facção. Não tem bispo, nem se curva a capitão. Quando
a vida nos ensina, não devemos mais errar. Com a ira
de Monã, aprendi a respeitar a natureza (…) Índio é dono
desse chão. Índio é filho da Portela”
“Guajupiá, terra sem males”, samba-enredo da Portela.

Na azul e branca Portela — escola que até agora levantou o troféu de campeã vinte e duas vezes, mais do que qualquer outra —, das vinte e cinco composições levadas à quadra, o samba-enredo “Guajupiá, terra sem males”, que exalta os povos indígenas, venceu a disputa interna. Guajupiá, na mitologia tupi-guarani, quer dizer Paraíso, bem diferente daquele que o capitão, avesso aos indígenas, quer construir em nossas plagas tupiniquins. Em uma das passagens do samba, os compositores Márcia e Renato Lage capricharam: “Nossa aldeia é sem partido ou facção (…) nem se curva a capitão”. Resta alguma dúvida que se trata de uma clara alusão aos ataques do presidente à população indígena e ao meio ambiente?

“Será que todo povo entendeu o meu recado?
Porque de novo cravejaram o meu corpo, os profetas
da intolerância, sem saber que a esperança brilha mais
que a escuridão. Favela, pega a visão: não tem futuro
sem partilha nem Messias de arma na mão”

“A verdade vos fará livre”, samba-enredo da Mangueira

A verde-e-rosa desembarca no sambódromo com o samba-enredo assinado pela mesma compositora que emplacou o hino da escola no carnaval de 2019: Manuela Oiticica, a Manu da Cuíca. A ela, se juntou Luiz Carlos Máximo, e só podia mesmo dar coisa muito boa: “Será que todo povo entendeu o meu recado? Porque de novo cravejaram o meu corpo, os profetas da intolerância (…) Favela, pega a visão, não tem futuro sem partilha nem Messias de arma na mão”.

O samba está vivo

O objetivo de Manu da Cuíca foi o de ressaltar o caráter democrático e revolucionário da disputa de samba. O homenageado da Mangueira é Jesus Cristo. “Com certeza, ele aprovaria uma escola espetacular que trata a favela como um ato de sobrevivência, especialmente com esse governo que mais mata favelados. Mas o samba mostra que estamos vivos”, diz Manu. O carnaval descrito aqui não é aquele do golden shower, como o capitão com certeza quererá fazer crer. O carnaval que Bolsonaro pretende fazer existir é o que sempre recebeu o falso estigma de um povo alienado a preferir a vida fácil regada a samba e a cerveja — e talvez ainda chame sambista de “va-ga-bun-do” e “co-mu-nis-ta”. Tomando-se emprestado, novamente, o genial Caetano Veloso, “atrás da verde-e-rosa só não vai quem já morreu”. Mas, dúvida não há, que quem a seguir será para apedrejar o boneco de Bolsonaro em algum carro alegórico.(IstoÉ)

Imagem/Reprodução

<