Open top menu
Médica defende cloroquina, critica estudos e diz que aceitaria ser ministra

Médica defende cloroquina, critica estudos e diz que aceitaria ser ministra

Médica defende cloroquina, critica estudos e diz que aceitaria ser ministra

Cotada para assumir o ministério da Saúde, a médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi voltou a defender o uso da cloroquina para tratar casos de Covid-19. Mesmo sem apresentar provas, ela criticou estudos que mostraram a toxicidade da substância e afirmou que a opinião do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o uso do medicamento se baseia em estudos.

“Ele não teve essa posição por minha causa, foi a partir de conversas que ele teve com setores que tratam disso. Ele recebeu estudos importantes”, disse a médica em entrevista ao Uol, sem citar porém quais seriam esses estudos.

“Aparentemente, o número de mortes no Brasil é grande, mas vejo pouca gente querendo tratar”, afirmou Nise ao Uol. “Vários médicos estão tomando hidroxicloroquina. A gente precisa considerar que o fato de você ter a oportunidade de trazer o paciente para uma situação menos grave”, acrescentou.

Durante a entrevista, a médica citou que há um estudo do New England Journal of Medicine que mostraria que a toxicidade da hidroxicloroquina é baixa. No entanto, a mesma publicação divulgou o maior estudo com mais de 1.300 pessoas apontando que o uso da substância é ineficaz contra o novo coronavírus.

Além de defender o uso da cloroquina, Nise defendeu o afrouxamento das regras de isolamento social. “Praias vazias, sendo que se pode ser distanciamento de 2 metros, parques. Aumentou suicídio, violência doméstica, depressão. Uma pessoa sozinha jamais conseguiria resolver. Não é só cloroquina, é muito mais que isso”, disse ao Uol.

Segundo a médica, ela aceitaria um convite de Bolsonaro para assumir o Ministério da Saúde. “Não é um desafio que depende da minha pessoa, mas um chamamento de uma sociedade”, complementou.(IstoÉ)

Foto/Reprodução

<