Open top menu
Mais de 25% das delegacias não têm controle de armas, diz relatório

Mais de 25% das delegacias não têm controle de armas, diz relatório

Mais de 25% das delegacias não têm controle de armas, diz relatório

Auditoria do TCE em 275 unidades do estado de São Paulo mostra também que o tempo médio de espera por atendimento é de 1h16 minutos

Um relatório do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) aponta que 25,82% das 275 delegacias visitadas pelo órgão na última terça-feira (30) não possuem controle de armas e munições, ou seja, não há registros da quantidade dos itens pelos policiais da unidade, que pode potencializar o risco de desvios e uso inapropriado do armamento.

Leia também: Delegacias de SP têm sujeira, falta de móveis e aparelhos quebrados

Além da falta de controle de armas, o relatório aponta que a espera por atendimento nas delegacias, por exemplo, é de 1h16 minutos. O tempo médio que a pessoa fica no atendimento, que normalmente é para o registro de uma ocorrência policial é ainda maior, cerca de 2h15 minutos.

“Se há falta de controle de armamento, ou é por falta de padrão, ou seja, normas rigorosas para serem obedecidas por todas as delegacias, ou não é feita a fiscalização para um problema tão sério como é o controle de armas e munições”, diz coronel José Vicente da Silva Filho, ex-secretário Nacional de Segurança Pública.

O coronel também analisa que o tempo de espera nas delegacias paulistas é “absurdamente intolerável” e que um atendimento de qualidade deveria “ser um compromisso não só da Polícia Civil, mas do governo do estado”.

O documento apontou também que 83% dos DPs não possuem laudo de vistoria contra incêndio do Corpo de Bombeiros, que 46% dos veículos à disposição dos policiais apresentam problemas e que 39% das unidades têm problemas na estrutura do prédio como rachaduras, trincas, fissuras e goteiras.

Outro ponto de destaque indicado na fiscalização é que 68% dos policiais entrevistados afirmam não ter boas condições de trabalho e que 76% das unidades não controlam o registro de frequência dos policial e funcionários que trabalham na delegacia.

A fiscalização, realizada sem prévio aviso pelo TCE, foi realizada em 275 delegacias de polícia de 225 das 645 cidades paulistas. O objetivo foi vistoriar as condições das delegacias, em aspectos como condições de atendimento, organização e condições de trabalho dos policiais.

Para o ouvidor das polícias do Estado de São Paulo, Benedito Mariano, parte desses dados é devido ao sucateamento da Polícia Civil. “A Policia Civil foi sucateada nos últimos 20 anos, o déficit de efetivo é de mais de 10 mil policiais e a má qualidade de atendimento que foi a principal denúncia na Ouvidoria da Polícia dialoga com esta situação estrutural”, lembra Mariano.

Já o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo avalia que a fiscalização do TCE evidencia que “a polícia com atribuição de elucidar crimes e desmantelar organizações criminosas está passando por uma situação de desmonte.

A reportagem questionou a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) de forma objetiva sobre os dados apresentados pelo TCE, entretanto a pasta somente respondeu sobre as questões estruturais das delegacias (veja íntegra da nota abaixo) e que “o relatório elaborado pelo TCE será avaliado pela Polícia Civil”.

Nota da Secretaria de Segurança Pública sobre o relatório do TCE-SP:

“A Polícia Civil já iniciou um programa para reformas e modernização das delegacias paulistas. Técnicos do Departamento de Administração e Planejamento da instituição estão atualizando os projetos já existentes e realizando vistorias técnicas nos distritos policiais para apontar as melhorias necessárias. O relatório elaborado pelo TCE será avaliado pela Polícia Civil.”

Um ferro-velho em forma de estacionamento, em via pública. Esse é o cenário do entorno de diversas delegacias de São Paulo. O problema da falta de pátios para veículos apreendidos pela Polícia Civil se estende a cada dia e o número de carros enfileirados nos DPs só aumenta. Moradores e comerciantes reclamam que alguns deles chegam a passar anos no mesmo local.

Reportagem: Fernando Mellis, do R7

Foto: Reprodução

<