Open top menu
Jefferson chama ministro de ‘advogado do PCC’ e STF de ‘puxadinho do PT e PSDB’

Jefferson chama ministro de ‘advogado do PCC’ e STF de ‘puxadinho do PT e PSDB’

Jefferson chama ministro de ‘advogado do PCC’ e STF de ‘puxadinho do PT e PSDB’

Além de atacar Alexandre de Moraes, Jefferson defende a dissolução do STF

O ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), um dos alvos da operação da Polícia Federal desta quarta-feira (27), criticou duramente o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que ordenou busca e apreensão de celulares e computadores.

Além de afirmar que o STF não passa de “puxadinho do PT e do PSDB”, a serviço dos ex-presidentes Lula e FHC, Jefferson acusou o ministro Alexandre de Moraes de “advogado do PCC”, durante entrevista ao programa “Gente”, da Rádio Bandeirantes, nesta manhã. Moraes foi secretário em governo tucano paulista.

Jefferson se referia à organização criminosa que controla presídios em quase todo o País, considerada a maior do continente. “Ele não tem qualidade moral nem qualificação profissional para estar no Supremo”, afirmou o ex-deputado sobre o ministro do STF.

Defesa da dissolução do STF

O político afirmou também que a presença de Moraes no STF “é um aborto”, explicada apenas por suas ligações políticas. O ministro Alexandre de Moraes foi indicado para compor o Supremo pelo então presidente Michel Temer, de cujo governo era ministro da Justiça.

O ex-deputado disse que sofre represália pelas opiniões que tem manifestado sobre o comportamento do STF, que, segundo ele, está empenhado em impedir que Jair Bolsonaro governe. Por essa razão, ele defende a aplicação, pelo presidente, o do artigo 142 da Constituição que, segundo ele, permite a dissolução do STF. “Não seria golpe, seria um contragolpe”, afirmou.

O presidente do PTB estava indignado também com o fato de um ministro Alexandre de Moraes haver determinado busca e apreensão na casa de sua ex-mulher, de quem está separado há 22 anos. Jefferson se casou novamente há 18 anos. “É uma violência pessoal, familiar”, disse ele, revoltado.(Diário do Poder)

Foto: Igo Estrela/folhapress

<