Open top menu
Especialistas alertam para a falta de liderança contra a covid

Especialistas alertam para a falta de liderança contra a covid

Especialistas alertam para a falta de liderança contra a covid

Ao comentar a marca de 100 mil mortos por covid-19 no Brasil, especialistas alertam para a necessidade urgente de se estabelecer uma ação coordenada no combate à doença. Após o silêncio, presidente Bolsonaro ataca a mídia, critica lockdown e defende cloroquina

Um dia após o Brasil chegar à marca de 100 mil mortos por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro reagiu. Defendeu a atuação do governo federal, acusou a mídia de “espalhar pânico” e fazer “uso político” da doença, responsabilizou medidas como lockdown pelas mortes e recomendou, mais uma vez, o uso da hidroxicloroquina. Segundo o mandatário, o remédio “salvou a minha vida e, como relatos, a de milhares de brasileiros”, apesar de não haver comprovação científica da eficácia do medicamento.

Segundo Bolsonaro, “não faltaram recursos, equipamentos e medicamentos para estados e municípios” no enfrentamento da pandemia. Ao comentar o seu pesar pelo sofrimento dos brasileiros ante a pandemia, o presidente mencionou o caso de três policiais militares executados este fim de semana em São Paulo. “Lamentamos cada morte, seja qual for a sua causa”.

Bolsonaro mencionou, ainda, uma reportagem do jornal britânico Daily Mail para denunciar a suposta ineficácia do lockdown. “No Reino Unido, o Departamento de Saúde estima que 16 mil pessoas morreram das mais diversas formas, por não terem acesso ao Sistema de Saúde, devido à pandemia, enquanto 25 mil morreram de covid-19 […] Conclui-se que o lockdown matou 2 pessoas pra cada 3 de covid no Reino Unido. No Brasil, mesmo ainda sem dados oficiais, os números não seriam muito diferentes”, pontuou o chefe do Executivo. Apenas cinco capitais brasileiras – Rio de Janeiro, São Luís, Manaus, Belém e Fortaleza – adotaram, por tempo determinado, algum tipo de medidas mais restritivas.

Ao rebater as críticas, o presidente deixou de lado o perfil conciliador e retomou o confronto para defender a sua visão particular sobre a covid-19. Segundo especialistas ouvidos pelo Correio, a discórdia e a politização que marcam a pandemia no Brasil é um dos obstáculos para o país ter uma resposta mais eficiente para a doença que matou mais de 100 mil pessoas em cinco meses. Eles chamam a atenção para a ausência de uma coordenação pacificada entre as diferentes instâncias, ainda que haja centros operacionais de níveis federal, estaduais e municipais para lidar com a crise. “Não dá para atribuir a culpa a um apenas, mas vivemos em um país presidencialista, então a responsabilidade maior recai sobre o Executivo”, avalia o cientista político Cristiano Noronha.

Na avaliação de Noronha, o governo deveria ter criado um comitê permanente de avaliação dos impactos da pandemia com a participação do presidente da República, de governadores e de representantes dos municípios, além de um canal de comunicação direto entre Executivo e Judiciário, com a participação do governo federal com os presidentes da Câmara e do Senado para os projetos de combate à pandemia que precisassem passar pelo Congresso.

Diante de um cenário tão grave quanto o existente em uma pandemia, a inexistência de um discurso unificado também teve reflexos na quantidade de vítimas. “O principal talvez fosse que os políticos não tivessem investido tanto nas críticas mútuas”, pontua Noronha. “O mais eficaz seria reduzir as críticas e transparecer à população uma ação conjunta, que transmita uma sensação maior de unidade”, acrescenta.

Desinformação

Na avaliação do pesquisador José Alexandre Diniz Filho, professor do Departamento de Ecologia da Universidade Federal de Goiás (UFG), o ministério da Saúde ainda tropeça para alinhar a distribuição e o repasse de recursos, com decisões assertivas sobre as prioridade na utilização. No entanto, é na junção com a “enorme campanha de desinformação e o negacionismo em si”, que o rumo se perde. “Em alguns pontos esses dois componentes estão ligados: por exemplo, o grande investimento feito em hidroxicloroquina, quando todos já sabiam que não é algo que funcione. O componente do negacionismo e da política geral anticientífica do governo é algo que vemos desde 2019”, disse.

Para o médico e doutor em saúde pública Flávio Goulart, liderar o enfrentamento da covid-19 em nível nacional significa atuar, sobretudo, na junção de esforços e no discurso unificado. “A roda, de maneira geral, já está inventada, pronta para utilizar. Ignorância e má fé é que podem torná-la quadrada”, criticou. “Liderança e credibilidade, por parte de quem tem o comando político ou técnico, são essenciais. É importante, para convencer as outras pessoas, de que quem emita as normas não só esteja convencido de sua validade, como também tenha um modo adequado de comunicá-lo”, detalhou Goulart e lança outras prioridades: ações coordenadas e planejadas, observância à ciência, criatividade em implementar ações que cumpram com as restrições estabelecidas, informação clara, proteção dos profissionais, fiscalização da saúde e, não menos importante, respeito a cada vida.(CB)

(foto: Cb Adriano e Sd Alexsandro/Exército Brasileiro/Divulgação)

<