Open top menu
Empresários cobram “postura ambiciosa” do governo na Cúpula do Clima

Empresários cobram “postura ambiciosa” do governo na Cúpula do Clima

Empresários cobram “postura ambiciosa” do governo na Cúpula do Clima

Evento organizado pelos EUA
Será realizado na 5ª e 6ª feira
Empresários querem que o governo brasileiro se comprometa com medidas mais ambiciosas na Cúpula de Líderes sobre o Clima, marcada para 5ª (22.abr.2021) e 6ª feira (23.abr).
A falta de diálogo com o Planalto, no entanto, faz com que o grupo pense em ações de “contenção de danos” para minimizar efeitos negativos que a política brasileira possa causar na relação com outros países.
“O setor empresarial está fazendo sua parte, não apenas se posicionando, mas apresentando propostas práticas, com metas e passo claros. Enviamos uma carta aos ministérios da Economia, Meio Ambiente, Agricultura e Relações Exteriores mostrando que, se o Brasil adotar um compromisso de emissão neutra até 2050, terá ganhos econômicos e reputacionais”, disse Marina Grossi, presidente do CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) ao jornal O Globo.
O documento é assinado por empresas como Bayer, Braskem, Bradesco, BRF, Ipiranga, Itaú, JBS, Lojas Renner, Marfrig, Natura, Shell, Siemens, Suzano e Votorantim.
Elas afirmam que, com o compromisso da neutralidade, o Brasil pode criar aproximadamente US$ 17 bilhões a partir “de negócios com base na natureza até 2030”. A ideia é que haja a redução de 37% na emissão até 2025 e de 41% até 2030.
Segundo os signatários, “o PIB [Produto Interno Bruto] também pode ter um crescimento vertiginoso com a implantação de práticas de baixo carbono, atingindo um ganho total acumulado de R$ 2,8 trilhões até 2030 em relação à trajetória atual”.
A Cúpula de Líderes sobre o Clima foi organizada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que tem uma forte agenda ambiental.
O presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a Biden comprometendo-se a eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030.
O chefe do Executivo brasileiro disse que o Brasil pode antecipar em 10 anos, para 2050, o objetivo de chegar à neutralidade climática. Mas afirmou que, para isso, depende da viabilização de “recursos anuais significativos, que contribuam nesse sentido”.
Em resposta, o enviado especial do Clima do governo dos Estados Unidos, John Kerry, disse que a carta é “importante”, mas que espera “ações imediatas” e o “engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que este anúncio possa gerar resultados tangíveis”.
A postura do governo federal em dizer que o Brasil é responsável por apenas 3% das emissões mundiais e que é preciso investimento da comunidade internacional para reduzir o desmatamento tem feito alguns empresários temerem pela impressão que o país deixará nos participantes da cúpula.
“Para o diálogo ocorrer, é preciso que as duas partes queiram”, declarou Roberto Waack, presidente do conselho do Instituto Arapyaú.
“Para não ficar apenas nas ‘notas de repúdio’, há uma clara política de contenção de danos, que tende a ser intensificada se o Brasil sair-se mal na cúpula. Se o governo brasileiro não assume o desmatamento ilegal zero, empresas criam a rastreabilidade da soja e do gado.”
Marcello Brito, que integra a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura e é presidente do conselho diretor da Associação Brasileira do Agronegócio, disse que o combate à ilegalidade “é o principal fator que irá reverter a imagem do Brasil no mundo”. Mas as ações dependem “em sua maioria do Poder Executivo federal, especialmente do Ministério do Meio Ambiente”.
Brito afirmou que a coalizão lançou, na semana passada, um manifesto assinado por mais de 280 entidades empresais. O grupo pede uma “postura ambiciosa” do governo.
“Independentemente do resultado da cúpula do clima para o Brasil, é possível avançar em outras agendas. Um exemplo é o alinhamento dos critérios de concessão do crédito rural a políticas e princípios de sustentabilidade. O crédito tem potencial para induzir mudanças em escala no campo.”
Segundo Sérgio Leitão, diretor executivo do Instituto Escolhas, “a fase das manifestações e cartas acabou”. Ele disse que “não vai mais haver o biombo fácil de se esconder atrás do governo. A cúpula vai trazer desafios como nunca foram vistos na área ambiental para empresas brasileiras de todos os setores”.
(Poder360)
Foto: Sérgio Lima/Poder360

<