Open top menu
Em reunião com prefeitos, Pazuello ganha apoio e promete habilitar mais UTIs

Em reunião com prefeitos, Pazuello ganha apoio e promete habilitar mais UTIs

Em reunião com prefeitos, Pazuello ganha apoio e promete habilitar mais UTIs

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, saiu-se bem na reunião que teve com prefeitos no fim da manhã desta 4ª feira (20.mai.2020). Os participantes gostaram do que ouviram do general, que assumiu o lugar de Nelson Teich.

Pazuello prometeu aumentar o número de equipes que habilitam leitos de UTI nos municípios. As unidades de tratamento intensivo são importantes nesse momento porque parte dos casos de coronavírus evolui a ponto de precisar desse tipo de terapia.

Também ficou de apresentar 1 plano nacional para reabrir as atividades econômicas. A decisão deve continuar dos governos locais, o plano serviria como orientação.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, teve diversos atritos com governantes locais nos últimos dias por causa do isolamento social, apontado por especialistas como a melhor forma de conter o vírus. Bolsonaro quer que as pessoas voltem ao trabalho.

“Fiquei com uma imagem muito positiva de proatividade do ministro”, disse ao Poder360 Jonas Donizette (PSB-SP), prefeito de Campinas (SP) e presidente da Frente Nacional de Prefeitos. Ele estava presente na reunião, de cerca de 1h30.

Pazuello também falou em criar canais diretos com os municípios mais afetados pelo coronavírus. Ainda, em massificar os testes de pacientes, que possibilitam mapear a dispersão da doença pelo país.

O apoio dos municípios é bem vindo para qualquer gestor federal, mas no Ministério da Saúde essa interlocução é ainda mais importante. O SUS (Sistema Única de Saúde) funciona em parceria com Estados e municípios. Praticamente todas as ações precisam ser pactuadas com os outros entes.

Os prefeitos reclamavam de falta de diálogo com o ministério durante os últimos 2 meses. Não teria havido conversas durante toda a gestão Teich, que durou 29 dias. Uma boa relação com os gestores municipais pode fortalecer Pazuello no cargo.

Mais cedo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que o general deve ficar à frente do ministério por bastante tempo.

Ele é o 3º chefe da pasta em 2 meses. Além de Teich, Luiz Henrique Mandetta também caiu durante a pandemia. Em ambos os casos o motivo foram discordâncias com o presidente sobre como lidar com o coronavírus.

Antes de ser ministro-interino, Eduardo Pazuello era secretário-executivo da Saúde. Na época, muitos prefeitos já preferiam tratar com ele que com o ministro. Ele foi colocado no posto não por seus conhecimentos em saúde, mas em logística.(Poder 360)

Foto: Eduardo Pazuello

<