Open top menu
Cúpula do MPRJ se reúne para discutir afastamento de promotora que fez campanha para Bolsonaro

Cúpula do MPRJ se reúne para discutir afastamento de promotora que fez campanha para Bolsonaro

Cúpula do MPRJ se reúne para discutir afastamento de promotora que fez campanha para Bolsonaro

Carmen Eliza postou em redes sociais fotos e mensagens de apoio ao então candidato à Presidência. Órgão ainda não se pronunciou.

A cúpula do Ministério Público do RJ (MPRJ) se reuniu no fim da noite desta quinta-feira (31) para decidir sobre um possível afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho das investigações sobre a morte de Marielle Franco e Anderson Gomes.

O MP recebeu, ao longo desta quinta, questionamentos sobre o fato de Carmen Eliza ter feito campanha para Jair Bolsonaro na corrida à Presidência da República – como a “Folha de S.Paulo” mostrou nesta quinta-feira (31).

Os pedidos são para afastamento de qualquer investigação que eventualmente envolva Bolsonaro.

A TV Globo apurou que a reunião teve momentos tensos. O afastamento de Carmen Eliza era dado como certo, mas a promotora se recusou a sair do caso – é prerrogativa dos membros do MP decidir em quais investigações desejam atuar.

O G1 pediu um posicionamento do MP, mas até a última atualização desta reportagem o órgão não tinha se pronunciado.

A promotora foi uma das três do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que participaram de uma entrevista coletiva sobre o caso na quarta-feira (30).

Na ocasião, Carmen Eliza, Letícia Emile e Simone Sibilio afirmaram que o depoimento de um porteiro sobre o que aconteceu horas antes do atentado não condiz com as provas reunidas pelo MPRJ. Especialistas, no entanto, apontam lacunas na perícia (leia mais abaixo).

Campanha para Jair

A reportagem da “Folha” diz que, durante a campanha, Carmen Eliza postou em suas redes sociais fotos e mensagens de apoio a Jair. Em uma delas, a promotora posou com uma camisa onde se lê “Bolsonaro Presidente”.

Em outra postagem, de 1º de janeiro, ela fotografou a cerimônia de posse do presidente e escreveu, como legenda: “Há anos que eu não me sinto tão emocionada. Essa posse entra naquela lista de conquistas, como se fosse uma vitória.”

Carmen também reproduziu uma imagem de texto que incluía: “O Brasil venceu!!! 57,7 milhões! Libertos do cativeiro esquerdopata”, em referência à votação de Bolsonaro no segundo turno.

Ela também postou em sua rede social foto abraçada com o deputado Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que quebrou uma placa em homenagem à vereadora assassinada em 2018. Na ocasião, Carmen Eliza estava com a Medalha Tiradentes no peito – a maior comenda do Estado do RJ.

Tese do Caso Amarildo arquivada

Carmen Eliza também participou da investigação, pelo MPRJ, do Caso Amarildo – o pedreiro que desapareceu na Rocinha em julho de 2013. A suspeita é que PMs tenham matado e sumido com o corpo.

Em junho de 2015, Carmen Eliza anunciou a abertura de uma nova investigação contra 10 policiais do Bope.

De acordo com ela, durante a preparação das alegações finais do inquérito, o Gaeco encomendou uma análise das imagens de câmeras de segurança e constatou a presença de um volume em uma das caminhonetes que estiveram no local durante o episódio.

Esse volume, explicou a promotora à época, “não era incompatível com o de um corpo”.

No entanto, em abril deste ano, a Justiça arquivou o processo – a pedido da própria Carmen Eliza.

O MPRJ admitiu não ter nenhuma prova de que o suposto volume seria o corpo de Amarildo e, em uma outra análise das mesmas imagens feitas por peritos da Polícia Militar do RJ, nenhum volume foi encontrado na viatura nem indícios de um corpo.

MP contradiz depoimento de porteiro

Uma coletiva foi convocada pelo MPRJ um dia depois que o Jornal Nacional trouxe novas revelações sobre o Caso Marielle.

Na terça-feira (29), a reportagem mostrou o que disse e o que anotou um porteiro do Condomínio Vivendas da Barra, Zona Oeste do Rio.

O vigia afirmou à polícia que Elcio Queiroz, preso acusado de dirigir o carro que perseguiu Marielle, anunciou que iria à casa 58, que pertence a Jair Bolsonaro.

Ainda segundo os dois depoimentos, o porteiro ligou para a casa 58, onde um homem que o vigia identificou como “Seu Jair” liberou a entrada.

Elcio, contudo, foi para a casa 65, que pertence a Ronnie Lessa – preso acusado de ser o autor dos disparos. A movimentação foi comprovada pelas câmeras de segurança.

O então deputado Jair Bolsonaro estava em Brasília e marcou presença em duas votações na Câmara dos Deputados, em horários muito próximos ao da chegada de Élcio ao condomínio – por volta das 17h10. Portanto, segundo a investigação, não poderia estar no condomínio e ter atendido o interfone.

Por citar o presidente, o caso foi levado ao Supremo Tribunal Federal.

O MP, na coletiva de quarta, contestou o porteiro.

As promotoras Carmen Eliza, Letícia Emile e Simone Sibilio citaram um áudio que provaria que a entrada de Elcio no condomínio foi liberada por Ronnie.

O MP afirma que o áudio gravado no sistema de interfones do condomínio revela que a voz não era de Bolsonaro. A prova técnica comprovou que é a voz de Ronnie Lessa, que autoriza Élcio a entrar no condomínio, às 17h07.

Lacunas na perícia

Uma reportagem da “Folha” publicada nesta quinta-feira (31) ouviu especialistas e afirma que a perícia não analisou pontos importantes.

A reportagem diz que as promotoras não perguntaram aos peritos se algum arquivo pode ter sido apagado ou renomeado. A “Folha” afirma que a perícia foi feita “a toque de caixa”, no mesmo dia da entrevista coletiva do Ministério Público.

A “Folha” diz que que só na quarta-feira as promotoras encaminharam as perguntas sobre as gravações ao setor técnico, e que o documento indica que os técnicos não tiveram acesso ao computador de onde os dados foram retirados.

O presidente da Associação Brasileira de Criminalística, Leandro Cerqueira, disse à “Folha” que, sem acesso à máquina em que os arquivos foram gravados, não é possível identificar se um arquivo foi apagado ou renomeado.

Disse ainda que o arquivo pode ter sido trocado e seria necessário o acesso ao equipamento original.

A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais afirmou ao jornal que é temerário o possível arquivamento de uma notícia de fato sem o devido exame pericial oficial e que isso abre espaço para uma guerra de versões e opiniões distante dos fatos. Com informações do G1

Foto: Reprodução/Redes sociais

<