Open top menu
Coronavírus: Secretário de Saúde de Minas diz que ‘não dá pra pensar em vida normal antes de junho’

Coronavírus: Secretário de Saúde de Minas diz que ‘não dá pra pensar em vida normal antes de junho’

Coronavírus: Secretário de Saúde de Minas diz que ‘não dá pra pensar em vida normal antes de junho’

Ainda não há previsão para terminar as medidas de isolamento social para evitar a propagação do coronavírus em Minas Gerais. O cenário foi destacado pelo secretário de Estado de Saúde de Minas, Carlos Eduardo Amaral, em entrevista à Rádio Itatiaia, nesta segunda-feira (13). A previsão do governo é de que pico da doença possa ocorrer entre maio e junho.

“É uma epidemia longa. Nós entendemos que maio e junho serão épocas de maior transmissão. Não dá pra pensarmos em voltar a uma vida normal antes de junho. Algum grau de isolamento será mantido. Da forma que é hoje vamos ajustando conforme o andamento da epidemia. Temos vários estudos para entender os impactos de cada setor o isolamento”, destacou Amaral.

“Nós estamos focados neste controle de manter o isolamento, independentemente do grau que ele for. Existe as evidências de que o isolamento é benéfico, então, vamos manter isso”, completou. Entretanto, o secretário informou que a orientação do isolamento social é analisado semanalmente pelo governo.

Leitos

De acordo com a secretaria de Saúde, o número de leitos clínicos vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS) em Minas Gerais saltou de 11.625 para 12.625, sendo cerca de seis mil ocupados por pacientes com Covid-19.

A maior preocupação está relacionada com os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A ideia do governo é dobrar a capacidade de estruturas de urgência em Minas – de 2.013 leitos para cerca de quatro mil.

Segundo Carlos Eduardo Amaral, 540 leitos de UTI estão praticamente prontos, precisando apenas de financiamento e de finalização do processo de habilitação. Mas o secretário informou que é complicado conseguir o restante da estrutura para atendimento de urgência até o começo de maio, quando há a previsão para o início do pico da pandemia no Estado.

“1500 leitos até início de maio seria arrojado demais, mas temos que lembrar que temos leitos que dependem de contratação do RH, de ventiladores”, explicou Amaral.

O secretário acrescentou que cerca de 45% de leitos de UTI estão ocupados em Minas e reforçou o pedido para a população, se possível, ficar em casa. “Se as medidas de isolamento continuarem, teremos um pico menor e ainda mais postergado e a capacidade de acoplar a demanda à oferta deve ser melhor”.

Subnotificações

O secretário de saúde informou que a subnotificação é encarada como normalidade quando há uma epidemia. “Diante da realidade de haver a subnotificação, é importante lembrar que as notificações são marcadores pra gente (orgãos de saúde). Um caso informado significa que pode ter outros casos ali. Então, quando nós temos vários casos notificados, mesmo que não sejam feitos exames, mostram que está acontecendo uma pressão em uma região ou outra”, ressaltou.

Amaral também explicou o porquê dos números do governo, muitas vezes, serem diferentes dos casos notificados pelos municípios. “Cada prefeitura tem sua estatística e ela tem que alimentar a rede estadual de dados para que sejamos comunicados. Pequenas diferenças normalmente acontecem. Em 24h 48h no máximo eles comunicam ao Estado e entramos em alinhamento”, explicou.(Hoje em Dia)

(foto: Tulio Santos/EM/D.A. Press – 09/03/2020)

<