Open top menu
Com Bolsonaro na Índia, Mourão recebe Moro no Palácio do Planalto

Com Bolsonaro na Índia, Mourão recebe Moro no Palácio do Planalto

Com Bolsonaro na Índia, Mourão recebe Moro no Palácio do Planalto

O encontro ocorreu um dia após a ameaça do presidente Jair Bolsonaro, de dividir a pasta comandada pelo ministro

O presidente em exercício, Hamilton Mourão (PRTB), recebeu na manhã desta sexta-feira (24/1), no Palácio do Planalto, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O encontro, que durou cerca de 30 minutos, não consta na agenda oficial de ambos. O teor dos assuntos tratados durante o encontro também não foi divulgado. Na saída, Moro evitou a imprensa.

A reunião ocorreu em meio a atritos entre o ministro e o presidente Jair Bolsonaro, que cogitou, a pedido de secretários de segurança, recriar o Ministério da Segurança Pública. A pasta em questão foi criada em 2018, no governo do ex-presidente Michel Temer, e extinto pelo presidente Jair Bolsonaro no enxugamento da Esplanada.

Atualmente, a área está vinculada à Justiça e é comandada pelo ex-juiz. Caso ocorresse a divisão, Moro sofreria redução de poder com o ministério esvaziado. Um dos nomes cotados para assumir o cargo, na eventual implementação da pasta é o do ex-deputado Alberto Fraga (DEM), amigo e aliado de Bolsonaro.

Na reunião com secretários estaduais da área, ocorrida no último dia 22, Moro não foi convidado pelo chefe do Executivo. Na quinta-feira (23/1), Bolsonaro tinha confirmado que a proposta de recriação seria avaliada. “Isso é estudado. Estudado com Moro, lógico que o Moro deve ser contra”, reconheceu.

Nos bastidores, a informação é de que Moro disse a aliados que caso Bolsonaro dividisse os ministérios em questão, deixaria o governo. Ainda nesta sexta-feira (24/1), em Nova Délhi, Bolsonaro descartou, “no momento”, a possibilidade de dividir o Ministério da Justiça e Segurança Pública. “Está descartada (a divisão da pasta). A chance, no momento, é zero. Tá bom? Não sei amanhã. Na política, tudo muda. Mas não há intenção de dividir (o ministério da Justiça)”, completou.(CB)

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

<