Open top menu
Coligação de Haddad acusa no TSE campanha de Bolsonaro de abuso de poder econômico

Coligação de Haddad acusa no TSE campanha de Bolsonaro de abuso de poder econômico

A coligação presidencial encabeçada pelo petista Fernando Haddad ingressou na noite de terça-feira no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com pedido para se investigar a campanha do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, por abuso de poder econômico.

Segundo a chapa petista, o pedido refere-se ao fato de o presidente da empresa de ar condicionado Komeco, Denisson Moura Freitas, ter supostamente gravado um áudio a funcionários pedindo que apoiassem a candidatura de Bolsonaro por meio do uso de adesivos e camisetas.

A coligação de Haddad pede ao TSE que Bolsonaro se torne inelegível por 8 anos.

Relatos na imprensa indicam que empresários estariam pressionando funcionários a apoiar Bolsonaro. O Ministério Público do Trabalho (MPT) já divulgou um alerta de que é “proibida a imposição, coação ou direcionamento nas escolhas políticas dos empregados”.

“O objetivo é garantir o respeito e a proteção à intimidade e à liberdade do cidadão-trabalhador no processo eleitoral, no ambiente de trabalho”, disse o MPT em nota pública.

O MPT em Santa Catarina entrou na terça-feira com uma ação judicial contra a rede de lojas Havan depois de o proprietário da cadeia, Luciano Hang, ter pedido que seus funcionários votem em Bolsonaro sob o risco de fechar lojas e demitir empregados em caso de vitória de candidatos de esquerda.

Nesse caso, o MP do Trabalho pediu o pagamento de 1 milhão de reais em multa no caso de descumprimento. Hang é apoiador público de Bolsonaro.(Reuters)