Open top menu
Colapso nas contas de Minas ameaça até salários de servidores

Colapso nas contas de Minas ameaça até salários de servidores

Colapso nas contas de Minas ameaça até salários de servidores

A equipe econômica do governo de Minas informou ontem, em coletiva transmitida online, que a arrecadação do ICMS do Estado referente a abril sofreu, até esta semana, impacto de R$ 1,150 bilhão em razão dos efeitos da pandemia da Covid-19.

Com a esperada elevação do desaquecimento das atividades econômicas, nos próximos dias e semanas, a previsão de perdas na arrecadação mais que dobra em relação à já verificada: para maio, o déficit deve ser de R$ 2,5 bilhões, o que poderia até inviabilizar o pagamento da folha dos servidores, hoje em torno de R$ 3,5 bilhões.

A expectativa de rombo total de R$ 7,5 bilhões nas finanças mineiras com a pandemia, feita há alguns dias, precisará ser “revista para cima”, segundo o secretário de Estado da Fazenda, Gustavo Barbosa.

Ainda de acordo com Barbosa, os salários deste mês, que tiveram primeira parcela quitada para a maioria do funcionalismo, nesta semana, só puderam ser pagos porque o governo teve um reforço extra no caixa, no período: o pagamento de precatórios, totalizando R$ 781 milhões.

“No mês que vem, infelizmente, não teremos esses recursos extraordinários. A previsão é de que arrecadação seja de apenas R$ 1,6 bilhão”, afirmou Barbosa.

Para o secretário, assim como para o chefe da pasta de Planejamento, Otto Levy, se não houver um socorro externo – a aposta é na aprovação, pelo Congresso, de uma proposta de recomposição de impostos de Estados e municípios para este ano, com ajuda da União, a patamares dos mesmos meses de 2019 –, o caos financeiro poderá se instalar.

“Sem a aprovação desse projeto, que consideramos crucial, teremos que tomar medidas ainda mais duras que as já adotadas para assegurar atividades, especialmente as de saúde e segurança, prioridade neste momento”, disse Levy. Entre as ações já adotadas, ele destacou a suspensão “temporária” do pagamento de 1/3 de férias aos servidores e ainda do abono de fardamento para o pessoal da Segurança Pública.

Durante a entrevista, da qual também participaram os secretários Geral, Mateus Simões, de Governo, Igor Eto, e da Saúde, Carlos Eduardo Amaral, Otto Levy também informou que a aguardada operação de antecipação de créditos do nióbio, tida, até pouco tempo, como fonte significativa de recursos para aliviar o caixa estadual, está “pronta, mas inviabilizada”, em razão dos efeitos da pandemia no mercado.

Para garantir salários, este mês, governo suspendeu o 1/3 de férias de servidores e abono para a Segurança.(Hoje em Dia)

Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG /

<