Open top menu
Bolsonaro dificilmente concluirá mandato, prevê Molon

Bolsonaro dificilmente concluirá mandato, prevê Molon

Bolsonaro dificilmente concluirá mandato, prevê Molon

O advogado Alessandro Molon (PSB-RJ) foi considerado pelos jornalistas que cobrem o Congresso Nacional o melhor deputado deste ano. Ex-integrante do PT e da Rede Sustentabilidade, Molon é o líder da oposição ao governo Jair Bolsonaro. Nesta entrevista, ele aponta para o que considera riscos reais à democracia, a partir dos atos e das palavras do presidente, de seus filhos, e de outros que o cercam. E não tem receio de dizer com todas as letras que, na sua avaliação, “o atual governo é péssimo”.

Molon, no entanto, defende que as oposições não se restrinjam a criticar ao governo e sejam mais propositivas. O líder da oposição diz não acreditar que Bolsonaro concluirá seu mandato. Para ele, Bolsonaro é seu próprio maior inimigo e acabará derrubando a si mesmo.

“O comportamento, pra dizer o mínimo, insensato, imprudente e perigoso do presidente a todo momento me leva a crer que ele não vai conseguir terminar o seu mandato. O maior inimigo do presidente da Republica é o próprio presidente da República. Ele cria crises o tempo todo, arruma problema onde não existe, arruma inimigos, ataca outros países, partidos, parlamentares, juízes, instituições. Para mim, quem age desse jeito parece que procura a ocasião de encerrar o seu próprio governo. Então, acho possível que não termine o mandato. Não porque alguém vá querer derrubá-lo. Mas porque ele faz o máximo para derrubar a si mesmo”, avalia.

A entrevista exclusiva foi concedida por Molon antes das polêmicas declarações do Eduardo Bolsonaro sobre a edição de um novo AI-5 e da revelação de Jair Bolsonaro de que pegou as gravações do seu condomínio que poderiam, segundo depoimento de um porteiro, envolver o presidente no caso Marielle.

Passados oito a nove meses do início do governo Bolsonaro, qual a sua avaliação?

É difícil encontrar algum aspecto positivo em um governo que não tem projeto para o país, que não tem uma visão clara do que quer que o Brasil seja, que papel desempenhar no cenário internacional. A verdade é que Bolsonaro não imaginava que o Brasil pudesse cometer o erro de elegê-lo presidente. Por isso, não tinha um projeto para o país, e por isso o governo dele é assim muito atrapalhado.

O senhor não enxerga nada de positivo?

Uma ideia que o governo defende com a qual concordo é a necessidade de desburocratização. Mas, na minha avaliação, o governo está implementando de um modo errado. Havia um grupo de trabalho com pessoas extremamente competentes e renomadas para preparar um projeto de lei. O governo pegou o projeto, que era excelente, rasgou e fez a MP da liberdade econômica. Um texto muito pior. O governo manteve programas sociais como o Bolsa Família. É uma iniciativa correta. Agora, em outras áreas é difícil apontar grandes acertos. De um modo geral, está se prestando o maior desserviço para o país. Na área de educação, ciência e tecnologia, relações exteriores, um desastre. A imagem do Brasil nunca esteve tão ruim no mundo como agora, um vexame completo. Ninguém ganha com isso. A destruição do meio ambiente, a destruição da Amazônia. O Ricardo Salles é o pior ministro das últimas décadas. Então, é um governo que é muito ruim. Não por acaso, bate recorde após recorde de desaprovação. É realmente um governo péssimo.(Congresso em Foco)

Foto: (José Cruz/Agência Brasil)

<