Open top menu
Associação de caminhoneiros inicia paralisação de 12 horas

Associação de caminhoneiros inicia paralisação de 12 horas

Associação de caminhoneiros inicia paralisação de 12 horas

Presidida por Wallace Landim, o Chorão, um dos líderes do movimento de 2018, a Abrava entrou em greve às 6h desta quarta. A CNTTL, outra entidade representativa dos caminhoneiros tem protesto marcado em frente ao STF

A Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), uma das entidades que representam os caminhoneiros, iniciou às 6h desta quarta-feira (19) uma paralisação que vai até às 18h pelo piso mínimo do frete.

“A gente está pedindo para o pessoal ficar em casa para mostrar que estamos unidos. Não estamos querendo que ninguém pare na beira da rodovia, isso caracteriza multa alta para os caminhoneiros”, disse à Agência SputnikNews o presidente da Abrava, Wallace Landim, conhecido como Chorão, uma das principais lideranças do movimento que parou o Brasil em 2018.

Nesta quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgaria três ações que contestam a constitucionalidade da política de tabelamento de frete rodoviário. A votação foi adiada para o dia 10 de março, quando entidades contrárias e favoráveis ao tema vão se reunir em uma audiência de conciliação no Supremo.

A tabela de fretes foi criada em 2018 pelo governo do ex-presidente Michel Temer e passou a valer em janeiro de 2019. Mas teve sua constitucionalidade contestada no STF por diversas entidades, como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Greve

O movimento grevista ganha força entre as associações que representam os caminhoneiros. Nesta semana, Alexsandro Viviani, o Italiano, presidente do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam) foi preso ao organizar uma greve de 24 horas no porto de Santos.

O ato teve repercussão em outras entidades representativas dos caminhoneiros, como a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), que fará um protesto em frente ao STF nesta quarta.

“O Sindicato e os trabalhadores estão pacificamente protestando e faziam o trabalho de convencimento para que os colegas de trabalho aderissem à paralisação que reivindica a aprovação da constitucionalidade do Piso Mínimo de Frete pelo STF . É preciso que todas as forças progressistas e democráticas deste país defendam o direito de greve dos petroleiros e caminhoneiros que estão em luta”, afirmou a CNTTL em nota.(Fórum)

(Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil)

<