Open top menu
Quase metade dos sítios do Patrimônio Mundial Natural pode perder suas geleiras até 2100

Quase metade dos sítios do Patrimônio Mundial Natural pode perder suas geleiras até 2100

Quase metade dos sítios do Patrimônio Mundial Natural pode perder suas geleiras até 2100

As geleiras devem desaparecer completamente de quase metade dos sítios do Patrimônio Mundial, se continuarem as emissões de acordo com o primeiro estudo global sobre as geleiras do Patrimônio Mundial.
Os locais abrigam algumas das geleiras mais icônicas do mundo, como a Grosser Aletschgletscher, nos Alpes Suíços, a Geleira Khumbu, no Himalaia, e a Jakobshavn Isbrae, na Groenlândia.

American Geophysical Union – AGU*

O estudo na revista AGU Earth’s Future e co-autoria de cientistas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), combina dados de um inventário geleira global, uma revisão da literatura existente e modelagem de computador sofisticado para analisar o estado atual do mundo As glaciares patrimoniais, sua evolução recente e sua massa projetada mudam ao longo do século XXI.

Os autores preveem a extinção das geleiras até 2100 sob um cenário de alta emissão em 21 dos 46 sítios naturais do Patrimônio Mundial, onde as geleiras são encontradas atualmente. Mesmo sob um cenário de baixa emissão, oito dos 46 locais do patrimônio mundial será livre de gelo até 2100. O estudo também espera que 33 por cento a 60 por cento do volume total de gelo presente em 2017 serão perdidos em 2100, dependendo da emissão cenário.

“Perder essas geleiras icônicas seria uma tragédia e teria grandes consequências para a disponibilidade de recursos hídricos, aumento do nível do mar e padrões climáticos”, disse Peter Shadie, diretor do Programa do Patrimônio Mundial da União Internacional para a Conservação da Natureza. “Esse declínio sem precedentes também poderia comprometer a listagem dos locais em questão na lista do Patrimônio Mundial. Os Estados devem reforçar seus compromissos para combater as mudanças climáticas e intensificar os esforços para preservar essas geleiras para as gerações futuras ”.

Várias paisagens icônicas encontradas em sítios do Patrimônio Mundial serão afetadas pelo aumento das temperaturas.

* O Parque Nacional Los Glaciares, na Argentina, contém algumas das maiores geleiras do planeta e uma perda muito grande de gelo – cerca de 60% do volume atual – está prevista para 2100 neste local.

* Na América do Norte, o Parque da Paz Internacional Waterton Glacier, os Parques Canadenses das Montanhas Rochosas e o Parque Nacional Olímpico também poderiam perder mais de 70% de seu atual gelo glacial até 2100, mesmo sob emissões de dióxido de carbono drasticamente reduzidas.

* Na Europa, o desaparecimento de pequenas geleiras é projetado no sítio do Patrimônio Mundial dos Pyrénées – Mont Perdu antes de 2040.

* Te Wahipounamu – Sudoeste da Nova Zelândia, que contém três quartos das geleiras da Nova Zelândia, deverá perder de 25% a 80% do atual volume de gelo ao longo deste século.

Além desses resultados alarmantes, os autores enfatizam o papel fundamental que as geleiras desempenham para os ecossistemas e as sociedades em escala global. A conservação das geleiras poderia, assim, servir como um gatilho para enfrentar a questão sem precedentes da mudança climática.

“Para preservar essas geleiras icônicas encontradas em sítios do Patrimônio Mundial, precisamos urgentemente de cortes significativos nas emissões de gases de efeito estufa. Esta é a única maneira de evitar o declínio glaciário irreversível e duradouro e as principais conseqüências naturais, sociais, econômicas e migratórias relacionadas à cascata ”, diz Jean-Baptiste Bosson, assessor científico do programa Patrimônio Mundial da IUCN e principal autor do novo estudo . “O estudo sobre o declínio das geleiras enfatiza ainda mais a necessidade de ações individuais e coletivas para alcançar as aspirações de mitigação e adaptação do Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas”.

A mudança climática é a ameaça que mais cresce para os sítios naturais do Patrimônio Mundial, de acordo com o relatório Perspectiva do Patrimônio Mundial da IUCN , com o número de sites ameaçados pelas mudanças climáticas dobrando entre 2014 e 2017.

Os autores do estudo também desenvolveram o primeiro inventário de glaciares da lista do Patrimônio Mundial da UNESCO, documentando cerca de 19.000 glaciares presentes em 46 dos 247 sítios naturais do Patrimônio Mundial.

Referência:

Bosson, J.B., Huss, M., & Osipova, E. ( 2019). Disappearing World Heritage glaciers as a keystone of nature conservation in a changing climate. Earth’s Future, 7. https://doi.org/10.1029/2018EF001139
* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/05/2019

Foto: IUCN / Elena Osipova

Deixe seu comentário