Open top menu
TELHADINHO DE VIDRO

Avaliação da notícia

(1 Votos)

TELHADINHO DE VIDRO

Construí nosso cantinho
num sertãozinho escondido
e fiz o nosso quartinho
com um telhadinho de vidro

pra, à noite, nós dois despido
depois dos acontecido
no nosso ninho de amor

eu ficar vendo o esplendor
do teu corpo alumiado
pelo céu, todo estrelado

e, ali, nós dois lado a lado
quietinho, olhando a amplidão
de querer-te embriagado
eu rezar minha oração

pedindo a Nosso Senhor
que enquanto estrelas houver
haja também nosso amor.

Lucas Carneiro Poetinha*
10/fev/2013

Este poema segue o molde do soneto com estrambote, uma criação italiana da idade média, bastante divulgada pelos literatos espanhóis. Além dos tradicionais 14 versos, separados em duas quadras e dois tercetos, o soneto com estrambote contém um terceto a mais, e portanto, 17 versos.

* Lucas Carneiro, Poetinha, é escritor, poeta e cordelista. Pós-graduando em Linguística, é professor de Língua Portuguesa e de Língua Espanhola. Nascido em Boa Viagem, Ceará, escolheu como sua segunda casa a cidade de Araxá, hoje sua casa fora de casa. Apresenta acima um de seus sonetos, que estará no seu livro de SONETOS, a ser publicado em breve.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.