Open top menu
“Corrupto mata mais que bandido”, diz novo chefe da PF em Alagoas

“Corrupto mata mais que bandido”, diz novo chefe da PF em Alagoas

Após um intenso trabalho no combate à corrupção e à criminalidade no Estado, o delegado Bernardo Gonçalves de Torres foi exonerado do cargo de Superintendente Regional da Polícia Federal em Alagoas. A notícia foi confirmada em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (12). Mas seu substituto, delegado Rolando Alexandre de Souza, também tem experiência e histórico no combate à corrupção no País, conforme portarias datadas do dia 8 de janeiro.
O novo superintendente da PF em Alagoas chefiou o Serviço de Repressão a Desvios de Recursos Públicos da Polícia Federal (SRDP), em sua sede, em Brasília. E em palestra recente no 3º Encontro Nacional sobre Cooperação para Prevenção e Combate à Corrupção, realizado pela Rede de Controle da Gestão Pública de Mato Grosso, demonstrou o perfil que deve imprimir contra os crimes de colarinho branco, em Alagoas.

“A corrupção mata. Achar que o traficante da esquina é mais perigoso que o político corrupto é uma falácia. Político mata muito mais que bandido”, declarou o delegado Rolando Alexandre de Souza, em maio de 2017.

(…)CONTRASTE: POBRES CONTRA O ABORTO, RICOS A FAVOR DAS ARMAS

Com postura rigorosa comparável à de seu sucessor, o recifense Bernardo Gonçalves Torres comandou por dois anos e meio a PF em Alagoas. Sob seu comando, policiais e delegados federais deflagraram operações como a Sururugate, contra desvios de R$ 150 milhões da Assembleia Legislativa de Alagoas; e Sucupira e Correlatos, contra desvios de R$ 180 milhões na Secretaria da Saúde de Alagoas, no governo de Renan Filho (PMDB).

As mudanças já eram esperadas e também afetam as superintendências da PF em Santa Catarina, no Acre e na sede de PF, em Brasília. Todas decorrentes dos ajustes coordenados por Fernando Segóvia, que assumiu a direção-geral da PF, em novembro de 2017.

Fonte: DP

Deixe seu comentário