Open top menu
Mortes relacionadas ao calor devem aumentar significativamente com o aumento da temperatura global, alertam pesquisadores

Mortes relacionadas ao calor devem aumentar significativamente com o aumento da temperatura global, alertam pesquisadores

Modelos mostram que a implementação do Acordo de Paris é fundamental para evitar um grande aumento nas mortes relacionadas à temperatura

O mundo precisa manter sob controle a temperatura global cumprindo as metas estabelecidas no Acordo de Paris, ou mais pessoas podem morrer por causa de temperaturas extremas, dizem autores de um novo estudo na seção de cartas da revista Climatic Change, da Springer .

O Acordo de Paris, adotado em 2015 sob os auspícios da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC), vincula as nações a manter um aquecimento bem abaixo de 2 graus Celsius (° C) na temperatura média global, em relação aos níveis pré-industriais. Também insta os países a fazer esforços adicionais para limitar o aquecimento a 1,5 ° C.

Liderado por pesquisadores da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM), este é o primeiro estudo que avalia impactos na saúde relacionados à temperatura global em cenários consistentes com o Acordo. Os pesquisadores avaliaram os impactos de mortalidade projetados para uma série de aumentos de temperatura, compatíveis com os limiares estabelecidos em Paris (1,5 ° C e 2 ° C) ou mais (3 ° C e 4 ° C). Essas projeções levaram em conta como um aumento nas mortes relacionadas ao calor pode ser compensado por uma diminuição nas mortes devido ao frio, à medida que as temperaturas globais sobem.

O escopo do estudo permitiu comparações globais em várias áreas do mundo. A equipe da LSHTM primeiro analisou dados históricos sobre mortes relacionadas à temperatura de 451 locais em 23 países com diferentes condições socioeconômicas e climáticas. Eles então projetaram mudanças na mortalidade sob cenários climáticos consistentes com os vários aumentos na temperatura global, enquanto mantinham distribuições demográficas e riscos para a saúde da temperatura constantes.

Os resultados indicaram aumentos dramáticos de mortes relacionadas ao calor sob aquecimento extremo (3 ° C e 4 ° C) em comparação com o limiar mais leve (1,5 ° C), com excesso adicional de mortalidade variando de +0,73% a +8,86% em todos regiões. A diferença líquida permaneceu positiva e alta na maioria das áreas, mesmo quando as potenciais diminuições nas mortes relacionadas ao frio foram consideradas.

A imagem foi mais complexa ao comparar 2 ° C contra 1,5 ° C de aquecimento. Um aumento líquido nas mortes ainda era projetado para regiões mais quentes, como a América do Sul, Europa do Sul e Sudeste Asiático (com mudanças que variavam de 0,19% a + 0,72%), enquanto nas regiões mais frias o excesso de mortalidade era previsto ficar estável ou cair um pouco.

Os resultados apóiam a avaliação de um próximo Relatório Especial do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima, agendado para aprovação em outubro, que avalia os riscos para a saúde associados a 1,5 ° C e 2 ° C de aquecimento.

“Nossas projeções sugerem que grandes aumentos nas mortes relacionadas à temperatura poderiam ser limitados na maioria das regiões se o aquecimento fosse mantido abaixo de 2 ° C”, explica Ana Maria Vicedo-Cabrera, a primeira autora do estudo. “Sob mudanças extremas no clima, grandes partes do mundo poderiam experimentar um aumento dramático no excesso de mortalidade devido ao calor. Isso não seria balanceado por reduções nas mortes relacionadas ao frio. Esforços para limitar o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 ° C poderia fornecer benefícios adicionais em regiões tropicais ou áridas, incluindo os países mais populosos e muitas vezes mais pobres. ”

Antonio Gasparrini, co-autor do estudo, diz: “Esperamos que os resultados ajudem a convencer as nações a tomarem medidas decisivas implementando políticas climáticas ambiciosas, consistentes com o Acordo de Paris, em um esforço para salvar vidas. Atualmente, estamos em uma trajetória para alcançar mais de 3 ° C de aquecimento, e se esta tendência continuar, haverá sérias consequências para a saúde em muitas partes do mundo “.

Referência:

Vicedo-Cabrera, A. M. et al (2018). Temperature-mortality impacts under and beyond Paris Agreement climate change scenarios, Climatic Change Letters DOI: 10.1007/s10584-018-2274-3
http://dx.doi.org/10.1007/s10584-018-2274-3

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/09/2018