Open top menu
CODINOME: SAUDADE

Avaliação da notícia

(5 Votos)

CODINOME: SAUDADE

Uma saudade à minha porta hoje bateu

Entrou, sorriu-me, sussurrou-me o seu desejo

Contou-me histórias, me abraçou, negou-me um beijo

Pediu-me abrigo, e se instalou no peito meu.

 

A solidão, que do meu mundo era senhora,

Brigou, zangou-se, e quis partir pra não voltar

Tanto agastada de que viera aqui morar

Minha saudade, companheira de outras horas.

 

Mas a saudade é bem melhor por companhia!

Contamos contos, uns de amor, outros de rir-nos

E a nossa história reescrevemos dia após dia

 

Quisera ter antes no peito esta saudade

Rememorar, sentir, amar, nos divertirmos

E nos brindarmos, corpos nus, felicidade…

 

* Lucas Carneiro, Poetinha, é escritor, poeta e cordelista. Pós-graduando em Linguística, é professor de Língua Portuguesa e de Língua Espanhola. Nascido em Boa Viagem, Ceará, escolheu como sua segunda casa a cidade de Araxá, hoje sua casa fora de casa. Apresenta acima um de seus sonetos, que estará no seu livro de SONETOS, a ser publicado em breve.

1 comentário

  1. Avatar
    21 Fevereiro, 2014

    Este poema foi publicado na página LUCAS CARNEIRO POEMAS VELHOS E NOVOS – Poesia e Prosa, no Facebook, e alcançou, em pouco mais de uma semana, 376 visualizações. Sendo assim, acreditei nele para ser publicado nesta coluna. Dedicado a Luzia, é um poema semirromântico, nos moldes do soneto alexandrino, que é o soneto dodecassílabo, ou seja, tem doze sílabas poéticas em cada verso.

    Responder

Deixe seu comentário